Consequências das mudanças climáticas estão atingindo o ponto de inflexão

Publicado originalmente em ANDA News. Para acessar, clique aqui.

Emissões de carbono, acidificação dos oceanos, devastação da Amazônia rumo a novos recordes

Um novo estudo que rastreia os sinais vitais do planeta descobriu que muitos dos principais indicadores da crise climática global estão piorando e se aproximando ou ultrapassando os pontos chave de inflexão à medida que a Terra esquenta.

No geral, o estudo descobriu que cerca de 16 dos 31 sinais vitais planetários rastreados, incluindo concentrações de gases do efeito estufa, conteúdo de calor do oceano e massa de gelo, estabeleceram novos recordes preocupantes.

“Há evidências crescentes de que estamos nos aproximando ou já ultrapassamos os pontos de inflexão associados a partes importantes do sistema da Terra.”, disse William Ripple, ecologista da Universidade Estadual do Oregon, que é coautor da nova pesquisa, em um comunicado.

“Os sinais vitais planetários atualizados que apresentamos refletem em grande parte as consequências de negócios implacáveis como de costume”, disse Ripple, acrescentando que “uma grande lição da Covid-19 é que mesmo uma redução colossal de transporte e consumo não é suficiente e que, em vez disso, mudanças transformacionais do sistema são necessárias.”

Embora a pandemia tenha paralisado economias e mudado a maneira como as pessoas pensam sobre trabalho, escola e viagens, ela fez pouco para reduzir as emissões globais de carbono. O uso de combustíveis fósseis diminuiu ligeiramente em 2020, mas os autores de um relatório publicado na revista BioScience dizem que dióxido de carbono, metano e óxido nitroso “estabeleceram novos recordes no ano para as concentrações atmosféricas em 2020 e 2021”.

Em abril de 2021, a concentração de dióxido de carbono atingiu 416 partes por milhão, a maior concentração média global mensal já registrada. Os cinco anos mais quentes já registrados ocorreram a partir de 2015, e 2020 foi o segundo ano mais quente da história.

O estudo também descobriu que os animais ruminantes, uma fonte significativa de gases que aquecem o planeta, agora somam mais de 4 bilhões, e sua massa total é maior que a de todos os humanos e animais selvagens juntos. A taxa de perda de floresta na Amazônia brasileira aumentou em 2019 e 2020, atingindo o máximo em 12 anos, de 1,11 milhão de hectares desmatados em 2020.

A acidificação dos oceanos é quase um recorde histórico e, quando combinada com as temperaturas mais altas do oceano, ameaça os recifes de coral, dos quais mais de meio bilhão de pessoas dependem para obter alimentos, dólares de turismo e proteção contra tempestades.

No entanto, houve alguns pontos positivos no estudo, incluindo subsídios aos combustíveis fósseis atingindo um nível recorde de baixa, e o desinvestimento em combustíveis fósseis atingindo um recorde de alta.

Para mudar o curso da emergência climática, os autores escrevem que mudanças profundas precisam acontecer. Eles dizem que o mundo precisa desenvolver um preço global para o carbono que esteja vinculado a um fundo socialmente justo para financiar as políticas de mitigação e adaptação ao clima no mundo em desenvolvimento.

Os autores também destacam a necessidade de uma eliminação e eventual banimento dos combustíveis fósseis, e o desenvolvimento de reservas climáticas estratégicas globais para proteger e restaurar sumidouros naturais de carbono e a biodiversidade. A educação climática também deve fazer parte dos currículos escolares em todo o mundo, dizem eles.

“As políticas para aliviar a crise climática ou qualquer uma das outras transgressões das fronteiras planetárias ameaçadas não devem se concentrar no alívio dos sintomas, mas em abordar sua causa raiz: a superexploração da Terra”, fiz o relatório. Somente assumindo esta questão central, escrevem os autores, as pessoas serão capazes de “garantir a sustentabilidade de longo prazo da civilização humana e dar às gerações futuras a oportunidade de prosperar”.

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram
Share on google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »
Fonte
Contraste