Quem cuida das cuidadoras?

Publicado originalmente em Brasil de Fato por Viviane Sarmento. Para acessar, clique aqui.

[Audiodescrição: Em fotografia preta e cinza aparecem centralizados Dona Ilza e Breno. Breno é um jovem com paralisia cerebral, o qual está sentado em sua cadeira de rodas. Ele está sorrindo largamente, tem a pele clara, olhos escuros e cabelos escuros curtos. Dona Ilza aparece sorrindo de perfil à direita de Breno, ela é uma mulher negra de cabelos longos presos e usa uma camiseta de manga curta branca. Ao fundo, uma mulher negra segura a cadeira de Breno e também está sorrindo olhando para ele. Ao longe, pessoas aparecem em turvo transitando. Fim da descrição.]

A coluna dessa quinzena não vai ser a partir da minha voz, mas na de Luciana Veigas, mulher negra e autista, mãe de uma criança também autista e representante do movimento “vidas negras com deficiência importam”. Luciana lamenta o ocorrido no dia 10 de outubro, em Ubelândia (MG), com Dona Ilza,56 anos, mãe solo de Breno,19 anos, ambos com paralisia cerebral:

“Dona Ilza morreu de parada cardíaca e ficou 5 dias dentro de casa com o filho (existem dúvidas se não foram mais dias), o qual dependia dela e morreu de fome. De todas as histórias que eu conto, essa foi a que mais está doendo. Mulher negra e mãe solo de um menino com paralisia cerebral, já sabemos que foi negligenciada em tudo: acesso à saúde, acesso ao básico. A morte dessas duas pessoas é sintomática e não a causa de tudo.

Mulheres negras e periféricas, quando tem filhos com deficiência, são abandonadas. São mais de 80% dos pais que somem no mundo. Mas não é só a família que nos vira as costas: é família, é Estado e é saúde. Estamos correndo atrás sempre do mínimo. O mínimo para garantir direitos, o mínimo de querer que o Estado apenas arque com o mínimo, já que redes de apoio e cuidado tanto pelo cuidador quanto pra pessoa com deficiência não entra em debate nunca. A gente morre antes da nossa morte […] O maior medo das mães atípicas brancas é: quem cuida do meu filho quando eu for embora? A respostas pra gente que é preta está aí: Ninguém. Nosso filho não vai ser notado, cuidado. Ele morre junto…. São tantas negligências… tudo dói”.

Na minha voz, apenas a revolta. Hoje, nós falhamos, na verdade, nós estamos falhando. Diariamente essas mulheres estão em diálogo com a fome, a pobreza, o racismo e o patriarcado, os quais ocasionam a vulnerabilidade coletiva e individual, deixando claro o fato de que quando falamos sobre humanidade, não estamos incluindo “os desviantes”.

Diante dessa realidade, as mulheres negras, muitas com deficiência, seguem sendo negligenciadas, exploradas e mortas. Por isso, precisamos falar sobre cuidado. E não apenas falar, mas, sim, trazer o cuidado para o centro das reinvindicações como um compromisso ético e tratá-lo como uma ferramenta potente para a construção de novos valores e para com o rompimento de uma lógica normalizante, cujo fracasso e fragilidade não só são aceitos, mas construídos como parte de um projeto perverso de exclusão.

Chegamos em outubro e usamos a fitinha cor de rosa em celebração ao autocuidado, uma farsa que legitima o abandono das mulheres que cuidam, as quais têm cor, localização geográfica e classe. Em um mundo ideal, a suposição de autocuidado e preocupação com a saúde de mulheres em um contexto geral faria sentido se o lugar no qual essas mulheres se encontram não fosse um espaço de falta e, por conseguinte, de extermínio. 

Todos os nossos esforços falham se estivermos pensando em um movimento feminista que não traga essa necessidade à tona, porque estaremos retirando da centralidade a nossa comunhão enquanto companheiras e comunidade, reforçando relações de poder que nos violentam. 

Pensar sobre as relações e em políticas de cuidado significa concatenar com a necessidade de mudanças radicais, romper com o medo, nos abraçar enquanto grupo e entender que as relações de poder se revezam diante das injustiças sociais. 

Movermo-nos contra a ordem deve configurar-se na ideia de que nenhuma de nós ficará para trás e isso significa nos conectar e nos encontrarmos em nós e na outra. Rede de apoio é urgente! É hipocrisia que exista a ideia de que ser anticapacitista é colocar pessoas com deficiência e mulheres que cuidam em lugar de destaque e representatividade, porque isso não as coloca na boca, no olhar, na rua e em espaços que não estejam o tempo todo arrancando sua humanidade. 

Hoje a nossa luta enquanto mulheres falhou e não é a sua postagem ou esse texto que irá resolver. Hoje falhamos, porque embora muitas de nós compreendam a estrutura social na qual vivemos, exercemos em muitos casos a nossa incapacidade de comunhão, por não nos enxergarmos na outra, pelo não acolhimento, por uma espécie de não responsabilização autorizada, mesmo que a combinação patriarcado-capitalismo-racismo-capacitismo estejam no discurso de repúdio de toda luta progressista. 

Hoje, perdemos, porque com a morte de Breno e Dona Ilza fica ainda mais claro que a luta sobre a democratização do cuidado não tem atravessado agendas efetivas e o direito ao cuidado segue tendo classe, raça e gênero. 

Volto à Luciana Viegas, no final do seu texto, quando questiona: “Vidas negras com deficiência importam?”. A resposta, infelizmente, aparece, ou não, da forma mais dura e silenciosa: corpos encontrados em estado avançado de decomposição. 

Este é um artigo de opinião. A visão do autor não necessariamente expressa a linha editorial do jornal Brasil de Fato Pernambuco.

Edição: Vanessa Gonzaga

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram
Share on google

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »
Fonte
Contraste