Mensagem que circula em grupos de WhatsApp de “enfermeira indignada” é falsa

Publicado originalmente em Coar Notícias por Kryssyno Oliveira. Para acessar, clique aqui.

Uma mensagem que viralizou na internet relata que uma suposta enfermeira (sem identificação) está indignada com a situação dos hospitais diante do agravamento da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) no Brasil. A mensagem sem indicação do nome da fonte diz:

Reprodução/WhatsApp

COAR verificou que o conteúdo acima é falso. Mensagens como essa são comuns circularem na internet e a maioria é falsa. Uma dica para você leitor é sempre se atentar a identificação da fonte. A mensagem não indica quem é a enfermeira e nem de qual estado reside.

Fora de contexto

Além de ser falsa, durante a nossa investigação descobrimos que a mensagem em questão tem como base o vídeo de uma mulher que falava da crise de saúde pública em Manaus (AM) no começo deste ano de 2021, e que foi tirado de contexto. 

No vídeo, a mulher, Natálie Batista, que não é enfermeira e sim acompanhante de um paciente de 81 anos de idade, internado no Hospital Pronto-Socorro 28 de Agosto, relata uma situação que ocorreu com ela na unidade. 

Segundo ela, uma enfermeira teria abaixado o oxigênio do seu paciente e de outros no local, o que gerou revolta para alguns acompanhantes que foram retirados do hospital após reclamarem da medida. Natálie Batista, disse também que o idoso havia sofrido uma queda na saturação (nível de oxigênio no sangue) de 90 para 7. 

Assim, no vídeo a mulher não chega a falar que a ordem era entubar e baixar o oxigênio para aumentar o número de mortos, nem de medidas de governo, tudo se tratava daquele momento em questão, diferente do que foi dito na mensagem compartilhada no WhatsApp e em outras redes sociais.

Crise de saúde pública

Naquele período, o Amazonas sofria com o agravamento da pandemia, aumento de casos, internações e falta de oxigênio para pacientes com o vírus. De acordo com uma nota publicada na época pela Secretaria de Estado de Saúde de Amazonas (SES-AM), as unidades de saúde estavam aderindo a um protocolo que envolvia reduzir o oxigênio para economizar o insumo e não matar os pacientes. 

Além disso, uma das medidas adotadas pelo governo do estado para salvar a vida das pessoas foi transferir os pacientes para seis estados da federação, enquanto o crise era solucionada no Amazonas. 

De acordo com o último boletim epidemiológico, de sexta-feira (26), o Amazonas possui 11.917 óbitos e 344.224 casos da Covid-19. Só na capital do estado, há 729 pessoas internadas com a doença e no interior, são 354 pessoas. Os dados são do Painel Covid-19 Amazonas. 

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram
Share on google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »
Fonte
Contraste