Como o aumento do nível do mar ameaça uma população inteira nos EUA?

Publicado em ANDA News. Para acessar, clique aqui.

Esforços estão em andamento para repovoar os recifes de ostras, que dissipam a força das ondas e evitam a erosão

O Sol nasce sobre os pântanos salgados em James Island, na Carolina do Sul (Estados Unidos), transformando as nuvens baixas em um laranja rico e aprofundando o tom verde das folhas de grama. Bill “Cubby” Wilder, o prefeito não oficial de Mosquito Beach, já chegou.

Ele fica ao lado de sua picape no acostamento rochoso da estrada de asfalto, conversando com vários trabalhadores encarregados de restaurar prédios que claramente viram dias melhores. “Eu gosto de me levantar e sair cedo”, diz ele, com uma risada fácil.

A menos de 10 minutos do centro de Charleston, Mosquito Beach se projeta no pântano em Sol Legare, a pequena ilha barreira encravada entre as ilhas James e Folly. Enquanto caminha pela beira do pântano, o amor do professor aposentado de 82 anos pelo lugar é evidente.

Ele se enche de orgulho ao relatar o papel de sua família em transformar esta faixa de terra subdesenvolvida e caminhos de terra em uma das praias negras mais proeminentes da era Jim Crow. Então, de meados da década de 1950 até o início da década de 1970, os ônibus trouxeram centenas de pessoas de todo o Low Country para dançar, comer, beber e ver e ser visto, lembra Wilder.

“Nós mergulhávamos no píer, nadávamos e fazíamos corridas de barco quando a maré estava alta”, relata. “Podíamos contar com as marés mais altas em setembro e outubro, mas nos últimos 20 anos é comum ver inundações e maré alta a cada dois meses.”

Latitude, topografia e proximidade com o Oceano Atlântico tornam o trecho do litoral de Jacksonville, Carolina do Norte, a Jacksonville, Flórida – chamado de Corredor do Patrimônio Cultural Gullah Geechee – particularmente vulnerável aos impactos das mudanças climáticas, como elevação do nível do mar, tempestades mais fortes e frequentes, temperaturas mais altas e um oceano mais quente e ácido.

A área foi apelidada de Low Country porque grande parte dela fica no nível do mar ou abaixo dele, que subiu 25 centímetros desde 1950 e atualmente está aumentando cerca de 2,5cm a cada dois anos. De acordo com um relatório estadual de 2019 sobre o aumento do nível do mar, Charleston inunda durante a maré alta pelo menos uma vez por semana, em comparação com uma vez por mês na década de 1990. Exacerbam as dificuldades, a rapidez e a colocação de novas casas e empresas. Esses pontos de dados fazem do povo gullah-geechee, que vive na região, um dos mais ameaçados pelo clima do mundo.

“No curso de uma única geração, vimos uma ruptura sem precedentes e mudanças inimagináveis”, destaca Kevin Mills, presidente e diretor executivo do South Carolina Aquarium, um museu costeiro de pesquisa, educação e conservação. “O que costumávamos chamar educadamente de inundações incômodas agora é uma ameaça recorrente ao comércio, transporte e saúde pública. As tempestades ameaçam bairros históricos”.

Essa percepção desencadeou a colaboração entre cientistas, grupos ambientais, agências governamentais, ONGs e membros da comunidade como Wilder para procurar maneiras de fortalecer e proteger o litoral. Esforços estão em andamento para repovoar os recifes de ostras, que dissipam a força das ondas e evitam a erosão.

O objetivo também é preservar o pântano salgado. Ele tem a capacidade de ajudar a mitigar as mudanças climáticas armazenando carbono, absorvendo enormes quantidades de água da chuva e mantendo o litoral por meio do armazenamento do solo.

Lora Clarke, uma cientista marinha e atmosférica do Pew Charitable Trust, notou mudanças nos padrões de inundação apenas nos oito anos em que viveu na Ilha James. “Eu posso ver isso no meu próprio bairro”, aponta Clarke. “Durante as marés altas extremas, a água das marés sobe nos quintais dos meus vizinhos.”

Clarke supervisiona a South Atlantic Salt Marsh Initiative para conservar cerca de um milhão de hectares de pântano ao longo da costa. “O pântano se moverá e crescerá naturalmente no interior, desde que não haja nada bloqueando-o”, explica. “Temos que pensar em como estamos construindo ou modificando estradas e pontes, para garantir que não bloqueamos esse fluxo natural das marés”.

Pode ser tarde demais, no entanto. Desde meados da década de 1990, novas construções ocorreram a menos de 800 metros do pântano. Isso contribui para a avaliação da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, na sigla em inglês) de que as zonas úmidas estão sendo perdidas duas vezes mais do que estão sendo restauradas, uma vez que o desenvolvimento impede a capacidade do pântano de se mover para o interior. Se não puder se expandir, ele morre.

Povo ameaçado pelas mudanças climáticas

A grande maioria das pessoas em comunidades históricas em todo o Low Country são descendentes de africanos ocidentais que foram escravizados na região do Atlântico Sul há mais de 400 anos. Sua experiência no cultivo de arroz, algodão e índigo sustentou algumas das plantações mais ricas do sul.

No final da Guerra Civil, ricos proprietários de terras fugiram da área, deixando para trás milhares de pessoas recém-emancipadas. Os ancestrais de Wilder estavam entre os fazendeiros negros que compraram pequenos lotes de terra e transformaram a antiga plantação da ilha em um assentamento de libertos.

Isolados do continente durante grande parte do século seguinte, eles mantiveram as tradições, a cultura e a religião africanas, e continuam a se identificar como descendentes diretos dos africanos ocidentais. A língua gullah-geechee, ainda falada por muitos dentro ou fora do corredor, é um crioulo baseado em inglês conhecido como gullah nas Carolinas e Geechee na Geórgia e na Flórida.

Mosquito Beach era uma terra agrícola sem estradas quando o tio de Wilder, Andrew “Apple” Wilder, construiu o grande pavilhão de madeira ao ar livre e calçadão em 1953. A área logo ostentava um hotel de 14 quartos, além de vários restaurantes, danceterias e bares.

O primeiro pavilhão foi destruído pelo Furacão Gracie, em 1959. Trinta anos depois, o Furacão Hugo derrubou a reforma do local, deixando as estacas de madeira como única lembrança de sua existência. Quando as autoridades do condado de Charleston tentaram demolir os edifícios há muito abandonados, Wilder solicitou com sucesso que Mosquito Beach fosse colocado no Registro de Lugares Históricos, salvando os edifícios de madeira da bola de demolição. As estruturas ainda estão de pé, mas como ele pode salvar Mosquito Beach e sua história das ameaças gêmeas do desenvolvimento e das mudanças climáticas?

Quatro décadas atrás, a península de Charleston era dois terços negra, mas esses números se inverteram. Hoje, mais de 70% da população é branca, de acordo com dados do censo de 2020, e está crescendo três vezes mais rápido que a média nacional, à medida que mais e mais brancos abastados constroem casas lá. A disparada dos preços imobiliários expulsou grande parte da população historicamente negra da ilha.

“Quando eu estava crescendo, você quase nunca via uma pessoa branca nesta área”, lembra Wilder. “Agora, os brancos superam os negros.”

Uma mudança de zoneamento implementada após o furacão Hugo, de 1989, para proteger as propriedades tornou mais difícil para a comunidade original permanecer parada diante do avanço das águas. “Na maioria das áreas habitadas por negros, você precisa elevar a fundação de sua casa em pelo menos 4,5 metros”, conta Wilder, para evitar marés cada vez mais altas. Isso “coloca uma desvantagem muito ruim em nossa comunidade, porque isso custaria de 20 a 30 mil dólares”.

Como a maioria dos imóveis herdados é de propriedade conjunta, às vezes, de dezenas de descendentes, os ocupantes não podem facilmente vender a propriedade ou emprestar o dinheiro para melhorar e elevar suas casas acima da linha de inundação em estacas, à medida que novas moradias são construídas.

Christopher Richardson cresceu em James Island e, depois de mais de 20 anos longe, voltou para Charleston, em 2018, para um lugar que não era apenas mais branco, mas mais congestionado e mais ameaçado do que quando ele partiu.

“É uma combinação muito estranha quando você adiciona mais pessoas enquanto a terra está desaparecendo”, comenta Richardson. “Os negros primeiro conseguiram esta propriedade porque os brancos não a queriam. Agora, eles ficam tipo ‘oh, estávamos apenas brincando’, porque eles querem de volta”.

Deslocamento populacional planejado

Ao longo da história, pessoas de cor em comunidades de baixa renda foram deslocadas em nome do progresso ou do bem maior. Comunidades urbanas foram demolidas para dar lugar a rodovias interestaduais e/ou arrasadas para mitigar a praga urbana.

Agora, a retirada gerenciada, o movimento proposital e coordenado de pessoas e bens para fora de áreas ameaçadas, é mencionado com cada vez mais frequência como a solução para os gullah-geechee perderem sua terra natal para o aumento do nível do mar induzido pelas mudanças climáticas.

“Retiro planejado é um termo carregado porque comunidades de cor vulneráveis ​​não têm a mesma agência de planejamento que outras em bairros mais ricos”, reclama Mills.

Seja chamada de retirada gerenciada, realocação estratégica ou migração climática, o processo vem com muita bagagem legal, logística e financeira. É particularmente difícil para muitos gullah-geechee aceitar quando os negros pobres são mandados embora enquanto os brancos ricos ainda estão chegando.

O cerne da questão é como afastar as pessoas dos locais de risco sem despojá-las de sua identidade, cultura e equidade. Muito do que significa ser gullah-geechee está enraizado no lugar; muitos dizem que pedir-lhes que se separem de sua terra ancestral desconsidera séculos de história.

“O patrimônio e a terra são tão importantes para tantas pessoas como meu bisavô que, mesmo antes de cultivar aquela terra, pescava e caçava lá”, diz Richardson. “Isso é algo com o qual ainda estou conectado. É muito triste ver tudo simplesmente desaparecer.”

O cenário em James Island está acontecendo na maior parte do corredor Gullah Geechee. Outras ilhas como Amelia, St. Simons, Kiawah, Tybee e Sullivan’s tornaram-se destinos de férias de luxo. Hilton Head representa a transformação mais radical.

Depois que a ponte para o continente foi construída em 1956, a ilha passou de um enclave remoto, com uma população majoritariamente negra, para os “Hamptons do Sul”, completos com condomínios fechados, shopping centers e campos de golfe. Antes maioria, os negros agora representam apenas 6% da população.

Proibição para conter a ameaça do mar

O conflito moderno sobre o desenvolvimento está se desenrolando de maneira um pouco diferente duas horas ao sul de Charleston, na ilha de Santa Helena. Lá, as leis de zoneamento proíbem os tipos e locais de desenvolvimento que colocam a infraestrutura e os edifícios muito próximos às zonas úmidas ou à beira-mar que exacerbam os impactos das mudanças climáticas, como inundações. Por exemplo, a ilha não possui hotéis, resorts, redes de restaurantes ou outros estabelecimentos que atraiam e acomodem turistas.

“É a única lei de zoneamento que encontrei no mundo que se concentra na proteção e na continuação de uma cultura ou grupo”, ressalta Marquetta L. Goodwine, também conhecida como Queen Quet. “É por isso que St. Helena não se parece com o Hilton Head e não sofre os impactos das inundações como o Hilton Head.”

Marquetta L. Goodwine, também conhecida como Queen Quet, lidera a nação Gullah-Geechee. Aqui, ela carrega um grão de arroz específico durante um evento em Charleston, Carolina do Sul, em 7 de abril de 2017. Foto: de Hunter Mcrae The new york Times, Redux

Goodwine ganhou reconhecimento mundial em seu papel auto-nomeado como chefe de estado da nação gullah-geechee que ela estabeleceu em 2000. [Este é um grupo que ela fundou e dirige, diferentemente do Corredor Gullah-Geechee.]

Encontrando esperança em soluções naturais

A infraestrutura anti-erosão e anti-inundação tende a ser cinza, com paredões revestidos. Mas Dale Threatt-Taylor, da South Carolina Nature Conservancy, diz que ela pode – e muitas vezes deve – ser verde.

“Foi comprovado repetidamente que a natureza geralmente tem uma solução melhor. Se imitarmos a natureza, tendemos a ter algo duradouro e menos invasivo”, aponta Threatt-Taylor. “Nosso foco está em como podemos colocar linhas costeiras vivas ou usar dados de topografia e GIS para descobrir qual água realmente deve ir para onde ou como restaurar essas zonas úmidas para que elas absorvam as águas extras das enchentes”.

Muitos dos grupos e defensores do meio ambiente da área empreenderam uma variedade de projetos diferentes, como reduzir a perda de pântanos e reconstruir as populações de ostras. Os pântanos são essenciais para a biodiversidade; eles servem como viveiros de vida marinha para 75% das espécies de peixes comerciais e recreativas. Os participantes da South Atlantic Salt Marsh Initiative começaram recentemente a escrever o plano de conservação e antecipam a publicação de um rascunho ainda este ano.

“Os muitos benefícios do pântano salgado ajudaram a reunir todos esses diferentes grupos em uma parceria muito forte para protegê-lo”, ressalta Clarke. “Desde que lançamos oficialmente em maio de 2021, construímos uma coalizão de quase 200 parceiros que estão todos interessados ​​em proteger o pântano de sal.”

Ao longo do corredor, as pessoas entendem o papel essencial que os recifes de ostras desempenham no ecossistema. Eles filtram a água, fornecem habitat e refúgio para peixes e crustáceos e atuam como proteção contra tempestades costeiras.

Todo o ecossistema costeiro costumava ser repleto de recifes de ostras, mas o desaparecimento das zonas úmidas, a poluição e o aumento da temperatura da água tornam os bivalves sensíveis, espécie de molusco, mais difíceis de encontrar hoje em dia. Durante a primavera e o outono, os voluntários ajudam a revestir a costa com superfícies duras, como rochas e conchas de ostras reutilizadas para dar às larvas de ostras algo para se prender e crescer. Em última análise, os recifes atuarão como barreiras naturais duras para proteger as linhas costeiras da erosão, marés crescentes e tempestades cada vez mais severas.

Esses tipos de medidas mantêm pessoas como Goodwine e Wilder otimistas de que a maré do desenvolvimento está se transformando em preservação. “Temos mais recursos e pessoas que dirão ‘Vamos ajudar’. As pessoas estão finalmente nos ouvindo. O país está percebendo que aqueles nativos da Ilha de Santa Helena estavam certos!” diz Goodwine, com uma risada.

Como Wilder dedica grande parte de seu tempo a preservar a terra e a história de Mosquito Beach, muitas vezes ele se pergunta o que está tentando salvar e para quem. Muitos da geração mais jovem mostram pouco interesse em ficar em um lugar onde parece não haver nada para eles e, na verdade, está desaparecendo sob as águas.

“Os jovens não valorizam a terra como nós”, conta Wilder. “No momento, há três casas vazias na propriedade Wilder. Quando os anciãos passam, eles se mudam e não querem voltar aqui para se estabelecer.”

Fonte: National Geographic

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram
Share on google

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »
Fonte
Contraste