Parteiras são chave da luz

Publicado originalmente em Observatório de Jornalismo Cultural – OBJORC por Bruna Rodrigues. Para acessar, clique aqui.

Uma análise sobre a luta e resistência das parteiras tradicionais no Brasil.

A reportagem Resistência e luta marcam a cultura das parteiras tradicionais no Brasil,de Marina Duarte de Souza, para o site Brasil de Fato, publicada em 20 de janeiro, marca o Dia da Parteira Tradicional. A data é importante por celebrar um saber dos povos primeiros que ocuparam o país, mas representa também resistência contra preconceitos e luta pelo reconhecimento dessa prática ancestral.

Para falar sobre o assunto, Marina Duarte parte do relato de Dxony Fulni-ô, parteira indígena de 37 anos, que mora na Reserva Indígena Kariri Xocó, em Brasília (DF), mas pertence à etnia Fulni-ô, da cidade de Águas Belas, no Agreste de Pernambuco.

As parteiras são chaves das fechaduras da luz ajudando a estrelas nascentes brilharem. São referências no cuidado com mãe e recém-nascido, têm autoridade e são lideranças nas comunidades onde atuam.

O conceito que define uma parteira ainda é restrito ao objetivo de ajudar a mãe durante o nascimento da criança. Essa visão global de um parto ainda é muito superficial. A ficção nos rodeou com imagens de bolsa rompendo, dor, sangue, suor e o momento sublime do parto, com o nascimento do bebê. Na verdade, o trabalho envolve conhecimentos de práticas ancestrais, como a permacultura e uso de plantas medicinais, por exemplo.

Mas, a reportagem entrega ao leitor uma definição mais sensível a partir do olhar de Dxony Fulni-ô. Para ela, “Quando você vê um filho chegar na terra, ou um neto, um bebê, de qualquer pessoa, você vê uma estrela. Por isso, que diz ‘dar à luz’, você vê a sua estrela brilhando na sua frente”.

A reportagem aponta o preconceito que caminha ao lado dessas mulheres e parte do olhar solitário de Dxony Fulni-ô enquanto parteira. Mais exemplos, outras vozes, ampliariam esse universo e nesse ponto a reportagem avançaria com a presença de mais atores sociais presentes, trazendo a informação do quantitativo de parteiras tradicionais que se dedicam a essa prática no país. Segundo o texto publicado na página oficial da Câmara dos Deputados, com informações da Agência Senado, estima-se que o país tenha 60 mil parteiras tradicionais, assistindo cerca de 450 mil partos por ano.

Por outro lado, diante desse número de partos realizados por parteiras como Dxony Fulni-ô, a reportagem acaba por evidenciar o preconceito ainda existente. Uma leitura interessante a ser feita nesse ponto são as particularidades e singularidades dessas heroínas para as suas famílias, comunidades e “crias” que trazem ao mundo, evidenciando a prática holística que permeia o fazer das parteiras tradicionais.

A reportagem, a partir do relato de Dxony, busca evidenciar e valorizar a riqueza do saber da parteira. Mais registros fotográficos ou uso de recursos visuais contextualizariam ainda mais a temática. Quão mágico e importante seriam algumas ilustrações de Dxony em trabalho de parto… mas reforço, seria um bônus à reportagem, que já traz um conteúdo de áudio ampliando as possibilidades de leitura.

Casos de violência obstétrica estão cada vez mais visíveis nos noticiários. Quando se fala nesse aspecto, a reportagem consegue embasar essa afirmação apresentando dados estatísticos, aprofundando sobre esse contexto. Confrontar essas informações e realidades possibilita a ideia central a sair apenas de palavras e partir para provas concretas.

Ao informar que “de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), recomenda-se uma taxa de até 15% de nascimentos por cesarianas e no Brasil o percentual atinge 52%, contra apenas 48% de partos normais (dados de 2010). Quando se trata de hospitais particulares, esse percentual sobe para 80% de cesáreas do total de partos realizados”, Marina Duarte traz um repertório de dados nacionais de mais uma entidade respeitada, além do Ministério da Saúde. Para além disso, a reportagem traz ainda o ponto de vista da enfermeira e obstetra Tamires Moreira, que estuda as parteiras tradicionais no seu doutorado pela Universidade de São Paulo (USP), e revela a necessidade de se tirar do papel a Política Nacional de Parteiras Tradicionais.

Em outro ponto, a partir da fala de Dxony Fulni-ô descrevendo as situações que muitas mulheres passam nas instituições hospitalares, quando perdem o protagonismo e a beleza do parto para um profissional que se coloca acima do paciente, buscando, na maioria das vezes, uma “facilidade” na realização do seu trabalho, a reportagem amplia a discussão. Inclusive porque esse protagonismo é atribuído normalmente aos profissionais das áreas de Medicina e Enfermagem. Nesse aspecto, Marina Duarte amplia essa abordagem ao trazer o ponto de vista e experiências de uma parteira, um ser envolvido com a “parição”.

Outro destaque a ser observado é a presença de informações do Ministério da Saúde, reconhecendo o ofício “ao parto domiciliar que tem como base saberes e práticas comunitárias”. Essa informação é importante porque sai, embora rapidamente, da visão unilateral da parteira-protagonista. Aí naturalmente esperava-se um confronto de informações que na verdade reforça a ideia central da reportagem em evidenciar o desamparo das parteiras no geral.

A reportagem acaba por trazer um tema importante que na maioria das vezes não tem o tratamento devido na agenda midiática. As falas de Dxony Fulni-ô são fortes e carregadas de muitas situações constrangedoras e tristes que ela já passou. Isso não fica apenas no relato, se traz como exemplo as políticas públicas para as parteiras — no caso, a falta dessas. Temos a citação do programa do Ministério da Saúde e que ele não funciona — que diga-se de passagem, é interessante e traz robustez a temática tratada.

Abordado dessa maneira, o conteúdo ressalta a ideia de resistência, de luta, em meio a tantas adversidades. As parteiras são chaves das fechaduras da luz ajudando estrelas nascentes a brilharem. São referências no cuidado com mãe e recém-nascido, têm autoridade e são lideranças nas comunidades onde atuam. Precisam de atenção e terem seus saberes respeitados. Está aí o ponto chave para uma sociedade. Respeito pelo outro e reconhecimento por quem dedica sua vida a novas vidas.

Resistência e luta marcam a cultura das parteiras tradicionais no Brasil está disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2020/01/20/resistencia-e-luta-marcam-a-cultura-das-parteiras-tradicionais-no-brasil>.

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram
Share on google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »
Fonte
Contraste