COAMOS: Ivermectina não é 90% eficaz na prevenção à covid-19

Publicado originalmente em Coar Notícias por Marta Alencar. Para acessar, clique aqui.

Écomum encontrarmos uma desinformação antiga circulando novamente na internet e às vezes com acréscimos de narrativas para aparentar ser uma “notícia atualizada”. O texto desinformativo em questão que circula em forma de notícia (característica peculiar das fake news) informa falsamente que a ivermectina seria 90% eficaz como profilaxia, 80% eficiente como tratamento precoce e 50% para tratamento tardio da doença. O medicamento é um anti-parasitário usado contra vermes e outros parasitas. Também é usado por veterinários, para combate de pulgas e carrapatos em animais de estimação.

Texto sem comprovação científica

Em agosto de 2020, uma desinformação semelhante também identificava a jornalista Elisa Robson como fonte. O conteúdo semelhante ao checado pela COAR distorcia as informações de que Food and Drug Administration (FDA), órgão regulador de medicamentos nos Estados Unidos, e notificava que o mesmo havia autorizado o uso de hidroxicloroquina para todos os pacientes com Covid-19.

É falso também que o CEO da farmacêutica suíça Novartis, Vasant Narasimhan, declarou que tem em mãos o resultado de pesquisas que comprovam a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina em matar o novo coronavírus. Isso foi checado em 2020 pela COAR.

Em fevereiro deste ano, a farmacêutica americana Merck, empresa que desenvolveu a ivermectina nos anos 1980 e até hoje é a principal fabricante, afirmou que não existem evidências sobre a eficácia do medicamento contra a covid-19.

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) também não recomenda tratamento precoce para Covid-19 com qualquer medicamento (cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, nitazoxanida, corticoide, zinco, vitaminas, anticoagulante, ozônio por via retal, dióxido de cloro), porque os estudos existentes até o momento não mostraram benefício e, além disso, alguns destes medicamentos podem causar efeitos colaterais.

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram
Share on google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »
Fonte
Contraste