Áudio apresentado por depoente na CPI é investigado por suspeita de fraude

CPI da Covid ouviu na quinta-feira, 1.º de julho, o empresário da empresa Davati, Luiz Paulo Dominguetti, o qual confessou em entrevista ao Jornal Folha de São Paulo, que recebeu um pedido de propina de US$ 1 por dose da vacina em uma tentativa de negociação com o Ministério da Saúde. Porém, o depoimento foi um dos mais “confusos” e tumultuados dos últimos dias, em função das informações imprecisas levadas pelo depoente à Comissão.

Em um dos momentos, Dominguetti acusou o deputado Luis Miranda (DEM-DF) – o qual denunciou um suposto esquema de superfaturamento na compra da vacina Covaxin – de ter participado de negociações na compra de medicamentos para imunização contra a Covid-19. Ele apresentou um áudio, em seu celular, em que supostamente havia tratativas do deputado Miranda na aquisição de vacinas.

Áudio investigado na CPI

Porém, o áudio em nenhum momento citou a compra de vacinas e com isso, os senadores desconfiaram que o material pudesse ser fraudulento.

O deputado Luiz Miranda, o qual teve o nome envolvido na denúncia, deixou claro em suas redes sociais que o áudio apresentando é datado de 2020 e diz respeito à compra de luvas e que, portanto, seria fraude. Ele encaminhou o áudio original para a polícia.

Celular apreendido e pedido de prisão de Dominguetti

Diante da situação, o celular do depoente Dominguetti foi apreendido pela Polícia Legislativa e enviado para perícia.

Áudio investigado na CPI
Foto: Pedro França / Agência senado

senadora Simone Tebet (MDB-MS) pontuou que a CPI estava “diante de um bode na sala”, com áudio editado, que não condiz com os fatos apurados. “O senhor se prestou ao papel de lobista, assim como o coronel Blanco (ex-diretor substituto do Departamento de Logística do Ministério da Saúde)”, expôs a senadora, a qual pediu o quanto antes acareação dos envolvidos no caso.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), ao perceber as informações imprecisas, pediu a prisão em flagrante de Dominguetti por falso testemunho na CPI. “O áudio se trata na verdade de uma conversa de setembro de 2020, falando sobre venda de luvas e não de vacinas”, destacou. Porém, o presidente Omar Aziz, rejeitou o pedido de prisão de Dominguetti.

Indução ao erro

Horas depois, Dominguetti voltou atrás e disse que pode ter sido induzido a erro ao tentar relacionar um áudio, exibido por ele durante a sessão, a um suposto envolvimento do deputado Luis Miranda (DEM-DF) na negociação de vacinas.

Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado

senador Omar Azis, presidente da CPI, esclareceu também que o áudio não tem ligação com a compra de vacina.

“É um áudio editado e de quando nem se falava em vacina. O deputado Luiz Miranda vai deixar o áudio a nossa disposição”, destacou.

Foto de capa: Waldemir Barreto/Agência Senado

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on email
Share on linkedin
Share on telegram
Share on google

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Language »
Fonte
Contraste